sexta-feira, agosto 29, 2008

A amante! (Despedida...Último Poema)

Auto lá!
Você que vai embora!
Não vê que me apavora
Essa pressa que tu tem?

Fica mais!
Que a vida é sem demora
Fica só mais uma hora
Tua presença me faz bem!

Veja bem:
Por que mais essa agora?
Teu cajado tu decora,
Com fitilhos do Bonfim!

Não vai não!
Tua pressa me apavora!
Não quero que vá embora
Porque corre tanto assim?

Olha lá!
O teu terno no varal!
Os cachorros no quintal
Já não param de latir!

Nosso amor...
Era incondicional
Não desejo o teu mal
Só não deixo tu partir!

Essa outra
É uma moça inconstante
Tem mais de um milhão de amantes!
É mulher desatinada!

Ela abusa
Dos tristes retirantes!
Dos poetas delirantes!
Seja amaldiçoada!

Não vai não!
Deixa sua mala de lado!
Não obedece ao chamado
Dessa que se chama: A estrada!

(Gabriel F.)

2 comentários:

Danyel de Argolo Cardoso disse...

Melhor despedida, só a dos Hermanos.


Caralho, moleque.

Tu é foda, de verdade.

Miss Butterfly εїз disse...

Porque corre tanto assim poeta?
A estrada é uma cura, as estrelas o esperam... não espere eternamente um fique!


Lindo poema de despedida ^^